Categorias
Editorial

Efemérides

Por Gustavo Martins-Coelho

Coube à Sara [1] a honra de publicar ontem o ducentésimo artigo [2] da «Rua da Constituição». Foram 189 artigos publicados ao longo de trinta meses, por seis colunistas regulares, a que se juntaram onze artigos seleccionados [3] de fontes externas ao blogue, que o editor chefe considerou merecerem ser divulgados na «Rua…».

Destes duzentos artigos, houve um que se destacou dos restantes, pelo interesse que despertou nos leitores: o artigo «Genericamente indignado!» [4] foi o mais lido de sempre na coluna «O muro das lamentações» [5] e em toda a «Rua…».

Outros artigos suscitaram também a curiosidade dos leitores. Por ordem decrescente, os dez mais visitados desde Agosto de 2012 foram, para além do referido no parágrafo anterior, «A evolução da dívida pública portuguesa entre 1980 e 2012» [6] («O muro das lamentações» [5]) e a sua versão anterior [«A evolução da dívida pública portuguesa ou “de quem é a culpa afinal?”» [7] («O muro das lamentações» [5])]; «Um problema de números» [8] («Olho clínico» [1]); «Eu não sou um recurso» [9] («O muro das lamentações» [5]); «Tantos que somos…» [10] («Olho clínico» [1]); «Eu, médica, me acuso» [11] («Olho clínico» [1]); «A isenção de IVA nos serviços de saúde» [12]Docendo discimus» [13]); «Indignados de trazer por casa» [14] («Estado de sítio» [15]); e «Tudo está bem quando acaba bem» [16] («O muro das lamentações» [5]).

Das colunas que não chegaram aos «dez mais», o artigo mais lido de sempre nas «Crónicas Altitude» [17] foi «A carta» [18]; «Noutras ruas» [3] «O legado político de Margaret Thatcher» [19]; nos «Dias passados» [20] «Casamento. Paixão. Camafeu. Ponto.» [21]; e no «Transporte humano» [22] «O transbordo pode ser bom para si, e para a sua cidade» [23].

Não deixa de ser significativo que dois dos dez artigos mais lidos versem sobre a dívida pública portuguesa (sendo que um deles é a actualização dos dados do outro) e que os restantes oito estejam relacionados com a saúde (três dos colunistas são médicos); destes, cinco abordam certos conflitos laborais na área da saúde e um trata as limitações à autonomia de prescrição dos médicos.

Esta semana, assinala-se ainda um outro marco: dentro de momentos, será publicado o quinquagésimo artigo d’«O muro das lamentações» [5]; este artigo dará início a uma curta colecção [24] a propósito da reforma do internato médico que o Ministério da Saúde pretende levar a cabo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *