Categorias
Estado de Sítio

Advogados, médicos e putas

Por Ana Raimundo Santos

Ao ler o título desta crónica terá, certamente, surgido na mente do leitor uma questão muito prosaica e simples:

— Que raio de sentido faz este título?

Mas não se aflija, leitor, que a finalidade desta crónica é esclarecer as suas dúvidas e, concomitantemente, partilhar a minha reflexão.

Antes de começar a dissertar sobre o que se esconde nos meandros da minha mente, importa ressalvar que a minha formação de base é em Direito e eu própria realizei parte do estágio de advocacia (tendo ganho juízo a meio do percurso por motivos alheios ao conteúdo deste texto).

Ora, pensar em coisas inúteis é algo que, embora não pareça, faço com bastante acuidade, pelo que o meu conhecimento e as minhas reflexões daquela natureza — inútil — têm uma dimensão considerável.

Aqui há dias, após um almoço entre amigas, no qual uma delas me questionou diretamente sobre a minha vocação profissional — de repente os que me rodeavam resolveram achar que eu ficava bem fechada numa cozinha, sem que isto tenha uma conotação machista! E eu, como sempre, comecei a divagar — afinal, desde tenra idade que o meu sonho era ser advogada e foi o que se viu — no vasto mundo de profissões e acabei por me centrar em três que, na minha modesta opinião, têm imensa coisa em comum, seja por conhecimento próprio, seja por realidade percecionada: advogados, médicos e putas.

Porquê? Os motivos são simples e passo a elencar:

  1. De uma forma ou de outra, todos prestam um serviço de utilidade pública;

  2. Os melhores são sempre os mais difíceis de contratar, embora com recomendação de alguém (cunha, quero eu dizer) o acesso ao serviço pretendido se torne mais fácil;

  3. Quanto mais caro é o serviço, supostamente, melhor o mesmo é desempenhado;

  4. A especialização representa um diferencial tanto a nível de preço como de serviço prestado;

  5. E, last but not least, todos se tratam por «colega»!

O que os diferencia? É simples — só uma delas é verdadeiramente genuína — as putas. As outras duas só canibalizam algumas das suas características.

Esclarecido, leitor? Qual é a sua opinião?

0 comentários a “Advogados, médicos e putas”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *