Categorias
Consultório da Ria

O corpo humano — máquina maravilhosa

Por Carlos Lima

Falar do corpo humano é, para mim, algo que me enche de entusiasmo, que me faz expressar a grande admiração que sinto e me permite tentar transmitir a outras pessoas o quanto de maravilhoso tem o entendimento que dele faço. Permite-me ainda evidenciar a importância que tem para cada um sentir, viver, respeitar e cuidar do próprio corpo.

O corpo humano é uma máquina maravilhosa; concentra em si um conjunto de estruturas bem organizadas, que nos permitem capacidades extraordinárias, criando desta forma um ser global, o Homem, que, apesar de tudo e por tudo isso, continua a ser um ser único e individual.

O corpo humano é constituído por onze sistemas, que subdividimos por mera questão esquemática de estudo e apresentação, mas que, na realidade, funcionam perfeitamente interligados e dependentes uns dos outros, para formar um só corpo e um só individuo. Daqui resulta que o que afecta um afecta o todo.

A base de todos os seres vivos é a célula. O corpo humano é a combinação de muitos milhões de células, ainda que a sua origem seja a união de apenas duas células: o óvulo da mulher (maior célula do corpo humano) e o espermatozóide do homem. A célula que daí resulta adquire a capacidade de se multiplicar e se diferenciar para dar origem à diversidade de células que constituem as variadas estruturas do organismo. Esta capacidade permite ao ser humano renovar-se por completo várias vezes ao longo da vida.

As células interagem entre si, mediadas por químicos poderosos, que permitem ao corpo humano encontrar equilíbrios internos (manter a saúde) e responder às mudanças externas (climáticas, biológicas e outras).

Apesar da perfeição que lhe podemos reconhecer, esta máquina pode ser afectada por doenças e, como todos sabemos, é limitada no tempo. A vida que se iniciou com a união de duas células termina com a morte, ou seja, a incapacidade de renovação das células de forma a manter o equilíbrio.

O programa que hoje iniciamos propõe-se analisar cada sistema, os diversos órgãos que os constituem e lançar desafios para que cada um de nós se sinta mais conhecedor e mais capaz de entender o que fazem, como o fazem e qual o papel que nos cabe na sua conservação, de forma a promover uma boa qualidade e, se possível, dar mais anos à vida.

Cuide-se… até amanhã… em que falaremos da cabeça, numa perspectiva global.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *