Categorias
Consultório da Ria

A mama

Por Carlos Lima

A mama humana é uma glândula sudorípara (produtora de suor) modificada, que segrega leite. Situa-se na região torácica, por cima do músculo peitoral. Consiste em quinze a vinte lóbulos mamários, organizados à volta do mamilo; os lóbulos possuem uma grande quantidade de alvéolos lácteos, onde é produzido o leite, que, na fase de aleitamento e pela acção da oxitocina, é libertado nos ductos ou canais lácteos e, se houver sucção, é libertado pelo mamilo.

Grande parte do tamanho da mama é tecido adiposo (gordura), estruturado e suspenso pelos ligamentos que se inserem numa das faixas do músculo peitoral profundo. A falta de exercício e o uso contínuo de sutiã limita a função deste músculo, levando ao seu relaxamento, e a mama fica mais descaída.

Além da produção de leite, a mama assume funções estéticas e de atracção sexual. Devido à grande irrigação sanguínea e inervação do mamilo, este tem capacidade eréctil, perante o estímulo sexual, ou pelo frio.

A presença dos vasos linfáticos serve para proteger a mama, contribui para a produção de leite e para a riqueza imunológica do mesmo, que exerce uma função de protecção para o bebé. A drenagem é feita, em grande parte, para os gânglios linfáticos axilares, pelo que a vigilância axilar é importante no auto-exame da mama.

A mama, à nascença, é igual nos dois sexos; e pode vir ligeiramente aumentada e com corrimento, devido à acção hormonal da mãe. É na puberdade, com o aumento hormonal de estrogénio e progesterona, que ela se desenvolve mais na mulher e que se evidencia a pigmentação da auréola mamária e do mamilo.

A produção de leite é influenciada pela acção da prolactina, que é libertada pela hipófise. A sucção pelo bebé faz aumentar a libertação da prolactina em cerca de dez vezes; e a ausência de sucção limita a produção, o que faz com que a mama pare de produzir leite em poucos dias. Já a ejecção do leite para os ductos ou canais lácteos é mediada pela acção da oxitocina. Só o leite que está nos ductos é extraído pelo bebé, mas a produção durante a sucção é contínua. A acção da prolactina prolonga-se por mais duma hora após a mamada do bebé, pelo que prepara a mamada seguinte. O primeiro leite após o nascimento do bebé é chamado de colostro e é um caldo de colesterol, que promove o funcionamento intestinal do bebé, e células imunitárias, que vão proteger o bebé nos primeiros meses — e que o leite artificial não possui. Sabe-se hoje que os bebés amamentados são mais activos, mais calmos afectivamente e mais inteligentes.

O exame regular da mama, conhecido como auto-exame, é de fundamental importância, pois permite à pessoa conhecer a sua própria mama, detectar as pequenas alterações e, a partir daí, alertar os profissionais de saúde. Estima-se que 95% dos casos de cancro da mama são detectados pela própria pessoa. O auto-exame também contribui para uma boa auto-imagem. Estudos comprovam que mulheres que fazem o auto-exame têm uma melhor auto-imagem em relação ao seu corpo.

A doença fibroquística (caroços) é a mais comum e deve-se ao espessamento dos gânglios mamários, com forte variação durante o ciclo menstrual, com particular incidência no período pré-menstrual, podendo ficar duros e dolorosos. O cancro da mama tem ainda incidências elevadas e que é preciso combater, quer através da realização do auto exame, quer por realização de mamografias, a partir dos 35 anos. A detecção precoce evita tratamentos e mutilações mais agressivas, como a realização de mastectomias. As pilulas de baixa dosagem que se utilizam actualmente não aumentam o risco. Já as filhas ou irmãs de pessoas portadoras de cancro em geral e da mama em particular têm um risco aumentado e devem ser acompanhadas. O cancro da mama no homem é mais raro, mas é habitualmente mais fatal.

Como é fácil perceber, as questões físicas, emocionais e estéticas que envolvem a mama são incentivos a um bom cuidado da mama. Amamentar é um direito e um dever da mulher e ser amamentado um direito do bebé.

Cuidar da sua mama é um sinal de respeito.

Cuide-se…

Saúde!

Um comentário a “A mama”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *