Categorias
Consultório da Ria

O baço

Por Carlos Lima

O baço é a maior massa de tecido linfático no corpo humano. Situa-se acima do estômago, logo abaixo do diafragma, encostado à parte superior do rim esquerdo. Pesa aproximadamente 150 gramas. É um órgão esponjoso, com uma parte branca relacionada com a resposta imunitária (defesa) e uma parte vermelha relacionada com a formação e limpeza do sangue. É irrigado pela artéria esplénica, que é um ramo da artéria celíaca, esta com origem na artéria aorta. A drenagem é feita pela veia esplénica, para a veia mesentérica, que termina na veia porta hepática; ou seja, o sangue que sai do baço vai directamente para o fígado [1] e só depois entra na circulação geral.

A primeira descrição do baço foi feita na Grécia antiga por Hipócrates (considerado o pai da Medicina — ainda hoje os jovens médicos fazem o Juramento de Hipócrates [2]), como splḗn — daí resulta que os termos que se relacionem com o baço comecem por esplen- (esplenectomia, esplenomegalia, artéria esplénica).

O baço intervém na produção de células do sangue (hematopoiese), principalmente no feto, no recém-nascido e na criança; é uma importante reserva de células do sangue, em particular plaquetas e glóbulos brancos; filtra os glóbulos vermelhos defeituosos e envelhecidos (hemocatérese) e outras substâncias em suspensão no sangue, incluindo os efeitos residuais de infecções noutras partes do corpo; e tem um papel de relevo na resposta imunitária do organismo.

É no baço que os linfócitos B (um tipo de glóbulos brancos) amadurecem e se diferenciam, para oferecer diferentes tipos de resposta defensiva. Estes linfócitos B estão relacionados com a produção de anticorpos; e cada anticorpo é específico para um antigénio (agente estranho ao organismo). Os linfócitos B também se diferenciam em células de memória B: trata-se de células que ficam presentes no corpo e que, sempre que houver um novo contacto com aquele antigénio, activam de imediato a multiplicação de anticorpos específicos, permitindo uma resposta muito mais rápida e uma defesa mais eficaz do organismo. É este o princípio subjacente à protecção conferida pela vacinação. Algumas vacinas precisam de reforços regulares, para manter o nível mínimo de células de memória B para uma resposta rápida e eficaz.

Devido à sua localização, o baço é muito susceptível de ser lesado, principalmente por traumatismos que atinjam a parte esquerda do abdómen e do tórax, em particular aqueles que envolvam as costelas que o protegem. Devido ao grande fornecimento de sangue que recebe, a hemorragia provocada é grave e pode levar à morte, pelo que exige intervenção cirúrgica urgente ou emergente para a sua recuperação ou extracção (esplenectomia). A remoção do baço tem consequências imunitárias significativas, ainda que os outros órgãos envolvidos na resposta imunitária, nomeadamente o fígado [1], possam suprir grande parte das consequências. Contudo, essa resposta é limitada no tempo — daí a tentativa de preservação do baço. A capacidade que as células do baço têm de se regenerar e reorganizar para manter a função é extraordinária; e existem pessoas que possuem mais do que um baço.

Para além da hemorragia, o baço pode sofrer outros problemas, como o aumento de tamanho (esplenomegalia) devido ao excesso de actividade, como é o caso da anemia falciforme, em que o formato dos glóbulos vermelhos leva à sua destruição maciça e à anemia correspondente. As infecções exigem uma resposta imunitária rápida, e esta pode desencadear um aumento das dimensões do baço, como reacção à necessidade de mais células imunitárias. Alguns tipos de neoplasia, nomeadamente as leucemias, também afectam a qualidade e o tamanho do baço.

O baço é um órgão importante; viver sem ele é viver com menor qualidade na defesa do organismo. A esplenectomia é muitas vezes consequência dos acidentes de viação. Estes são muitas vezes consequência do excesso de velocidade; por isso, na próxima vez que voar pela estrada, pense que pode viver sem baço, mas, que não é a mesma coisa, lá isso não é…

Saúde!

3 comentários a “O baço”

O baço pode regenerar ? Minha esposa sofreu um rompimento no baço durante a gestacao da nossa segunda filha a 6 anos atrás e passou por cirurgia de retirada do baço , essa semana ela fez uns exames pois vai fazer uma cirurgia no abdômen para reparo da outra cirurgia,enfim,nos exames mostra o baço no tamanho normal ,estamos espantados com isso ! Podem nos ajudar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *