Categorias
O Fundamentalista Científico

Todos os estereótipos são verdadeiros, excepto… V — «Os homens bonitos são homossexuais»

Por Satoshi Kanazawa [a]

Outro estereótipo comum sobre a aparência física é que os homens extremamente bonitos são propensos a serem homossexuais. Numa experiência, as mulheres classificaram as fotografias de homens como mais atraentes, se elas acreditassem que ditos eram homossexuais, do que se pensassem que eram heterossexuais, enquanto os homens não apresentam a mesma tendência ao avaliar a beleza das mulheres. As celebridades extremamente bonitas, como Tom Cruise, foram perseguidas por rumores de serem homossexuais, durante toda a sua carreira. Serão os homens extremamente bonitos realmente mais propensos a ser homossexuais?

Duma perspectiva da psicologia evolutiva, não faz sentido que os homens extremamente bonitos sejam homossexuais. Como eu afirmei num artigo passado [2], os homens mais bonitos recebem oportunidades desproporcionais de copularem fora da sua relação principal («casos») e acasalamento de curto prazo, porque as mulheres habitualmente os procuram pelos seus genes de alta qualidade [b]. Os genes de alta qualidade dos homens extremamente bonitos serão, portanto, «desperdiçados», se os seus portadores forem exclusiva ou predominantemente homossexuais.

Em consonância com a lógica da psicologia evolutiva, verifica-se que os homens extremamente bonitos não são mais propensos a ser homossexuais. De facto, há sinais de que seja exactamente ao contrário. Em comparação com outros homens, os homens extremamente bonitos são muitas vezes menos homossexuais, e os homens homossexuais são menos fisicamente atraentes. Embora isto possa ir contra o estereótipo comum, faz perfeito sentido, do ponto de vista evolutivo.

Por outro lado, existem algumas características físicas hereditárias que faz sentido evolutivo estarem associadas com a homossexualidade. Por exemplo, as mulheres procuram companheiros mais altos do que elas e, por consequência, os homens mais altos alcançam maior sucesso reprodutivo do que os homens mais baixos. Então, os homens baixos têm menos a perder, reprodutivamente falando, se forem exclusiva ou predominantemente homossexuais. Enquanto a homossexualidade exclusiva nunca pode ter qualquer recompensa reprodutiva, a perda relativa em termos de aptidão (o que os economistas chamam de custo de oportunidade) é menor se esses homens tiverem, à partida, menor sucesso na reprodução heterossexual. Além disso, ao absterem-se da reprodução directa, os homens com menores perspectivas reprodutivas (por serem baixos, por exemplo) podem ajudar e auxiliar no sucesso reprodutivo dos seus irmãos, que tenham perspectivas mais promissoras.

Por outro lado, pela mesma razão que os homens mais altos obtêm maior sucesso reprodutivo do que os homens mais baixos, as mulheres mais baixas alcançam maior sucesso reprodutivo do que as mulheres mais altas [c]. A lógica da psicologia evolutiva sugere, portanto, que as mulheres mais altas têm menos a perder, em termos reprodutivos, por se tornarem exclusiva ou predominantemente homossexuais.

Mais uma vez, em coerência com a lógica da psicologia evolutiva, verifica-se que os homens mais baixos têm maior probabilidade de serem homossexuais do que os homens mais altos; e os homens homossexuais são mais baixos do que os homens heterossexuais. Da mesma forma, as mulheres mais altas são mais propensas a serem homossexuais do que as mulheres mais baixas; e as mulheres homossexuais são mais altas do que as mulheres heterossexuais. Este é o poder da psicologia evolutiva: consegue prever quem tem maior probabilidade de ser homossexual, mesmo na ausência dum estereótipo.

Nada disto assume que a orientação sexual é uma escolha consciente deliberada. Sabemos que, pelo menos, a homossexualidade masculina é fortemente influenciada pelos genes. Mas uma forte influência genética sobre a orientação sexual não é inconsistente com aqueles que têm menos probabilidade de ser bem sucedidos em termos reprodutivos (homens feios, homens baixos, e mulheres altas) serem mais propensos a ser homossexuais, porque os genes da homossexualidade podem vir a estar associados com os genes da aparência física ou da altura. É necessários prosseguir a investigação, para explorar o potencial mecanismo pelo qual os genes para a homossexualidade masculina estarão associados aos genes da altura e da beleza física.


Notas:

a: Este artigo foi traduzido do original [1] pelo editor chefe (n. do T.).

b: Lembre-se, a beleza não é apenas superficial [3]: as pessoas bonitas têm melhores genes (n. do A.).

c: Esta descoberta foi feita por Daniel Nettle, da Universidade de Newcastle, a quem já encontramos antes [4] (n. do A.).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *