Categorias
Crónicas Altitude

A Escola… o futuro!

Por Hélder Oliveira Coelho

Há pouco mais de três meses, fui convidado pelo Liceu Camões para falar na Semana das Profissões. No final, fui amavelmente acompanhado pelo sr. Director numa visita ao edifício centenário, desenhado pelo brilhante Ventura Terra. No decurso da visita, o peito do Sr. Director crescia, citando com orgulho nomes de quem por ali tinha estudado e veio posteriormente a deixar marcas no País. Obviamente, não sou homem para me deixar ficar e fui esgrimindo nomes de gente do meu liceu. A certa altura, já com algum tom de aborrecimento, pergunta o Director:

— Mas, afinal, de que liceu vem o senhor?!

Ao que respondo:

— Afonso de Albuquerque, na Guarda.

O Sr. Director sorri e diz:

— Mas o seu liceu tem cem anos?

E eu respondi que não. Tinha mais de cento e cinquenta. E, com ar de surpresa, acrescenta ele:

— Mas eu falo do edifício; a vossa escola tem mais de cem anos?

E eu terminei a conversa, dizendo:

— Sr. Director, o senhor acha mesmo que é o edifício que faz um liceu?

Não é! Estou certo de que não é.

Há uma semana, recebi, com a amizade de sempre, um convite para regressar ao meu liceu. Ao entrar, o aroma a chocolate fazia os sentidos pulsar. De novo, não posso esconder a alegria que sinto ao ver a minha escola aberta a toda a comunidade, com o empenho de todos os que lá estão, desde os cursos profissionais, ao ensino básico ou ao secundário. Verdade seja dita, são mesmo as pessoas que fazem um liceu. Uma boa equipa pode fazer a diferença. No meu tempo, o liceu tinha um bom homem como director. Curiosamente, ainda hoje o liceu tem um bom homem a comandar os destinos. Mas nas equipas há sempre peças fundamentais na engrenagem. E, ao lado do dr. Soares não têm faltado, entre outros, a mestria do dr. João Paulo, a dedicação da dr.ª Conceição e a energia e o dinamismo contagiantes da dr.ª Luísa Fernandes.

O trabalho que se faz com os nossos miúdos é o garante que o nosso futuro estará assegurado. Dos nomes que cito, sou obrigado a fazer uma espécie de declaração de interesses. Luísa Fernandes foi minha professora. Se é certo que tempos houve em que o meu quotidiano era preenchido com o desejo íntimo de a contrariar e confrontar, ainda não estava a meio o ano lectivo e já a considerava um exemplo a seguir. Tenho muita honra em poder contar com a minha professora na minha carteira de amigos mais próximos.

Dito isto, cito o meu Reitor, Professor Sampaio da Nóvoa:

— As universidades são instituições centrais para levantar Portugal.

Com todo o respeito que o sr. Reitor me merece, não ouso corrigi-lo, talvez ampliar o campo de acção: as escolas são instituições centrais para levantar Portugal. Os valores que fizermos chegar aos nossos miúdos, o rumo de liberdade de pensamento em que os fizermos crescer são o garante de que Portugal não morre.

Como nota final, esta história dos mega-agrupamentos é uma espécie de megalomania de administrador público saído de um mundo tecnocrata hermético.

2 comentários a “A Escola… o futuro!”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *