Categorias
Noutras Ruas

Somos máquinas

Por Nelson Nunes (P3, 3.XII.2013) [1]

Nos dias que correm, parecemos antes máquinas. Só nos permitem ser gente quando regressamos ao chamado lazer. Os amigos descontraem-nos, a família acolhe-nos. De outra forma, seríamos total e unicamente máquinas de produzir coisas.

Acéfalos. Mestres no domínio de todas as técnicas, cepos no que toca ao pensamento. Detestamos leituras longas, adoramos tudo o que envolva experiências do momento. Queremos tudo instantaneamente, como o Ovomaltine a espalhar-se no leite. Tudo o que exija reflexão aborrece. E, sem darmos conta, estamos crassamente errados.

Gonçalo M. Tavares fala-nos, em «Atlas do Corpo e da Imaginação», do pensamento enquanto acção. Hoje, valoriza-se a acção prática e rápida, o trabalho expresso em resultados. Pensar é perder tempo com inutilidades. E o mesmo serve para as emoções.

Por exemplo, a gargalhada em contexto profissional é mal vista e quase intolerada. Em público, quem está sozinho não pode atirar uma gargalhada, sob pena de ser olhado de soslaio e imediatamente receber um esgar que grita baixinho «agarrem já este, que enlouqueceu». O sorriso é o limiar da sanidade nos dias que correm. Como se o trabalho tivesse de ser obrigatoriamente um frete. E eu, que, como outros felizes privilegiados, gosto tanto do que faço. «Fuck me, right»?

Como forma de nos tornar sérios e espicaçar-nos a caminho da maravilhosa produtividade assente em pura numerologia, somos enxovalhados com imagens de profissionais extraordinários como exemplo a seguir, sem nunca lhes conhecermos as fragilidades. Como sabemos tão bem das nossas fraquezas, o preço a pagar é a extrema insegurança que cresce neste peito. «Terei decidido bem?», inquirimos a nossa pobre consciência, que luta todos os dias a caminho da perfeição.

Damos demasiada atenção às tecnologias e esquecemo-nos de ser humanos. Cantam-nos os Placebo, em «Too Many Friends», que «tudo o que as pessoas fazem nos dias que correm é olhar para um telefone. Temos demasiados amigos, demasiada gente, e não conseguimos dar assistência a todos eles.» Os amigos de ontem eram pessoas de carne e osso. Hoje são números e caras enfiados num layout azul e branco. Porque não há tempo para mais.

Um dia, lá longe (espera-se), estaremos velhinhos, deitados numa cama. Dependendo do que faremos hoje, aquilo que nos ocorrerá será, na pior das hipóteses, um «raios me partam por me ter esfalfado a bulir que nem um louco e agora aqui jazo, incapaz de trocar as voltas ao relógio e à idade». Há, porém, uma hipótese muito melhor: «doem-me os ossos e dói-me a vida, mas nada paga a alegria de ter tido uns dias repletos, do primeiro ao último. Bendita vida, repetiria tudo de novo».

Tu escolhes.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *