Categorias
Dias Passados

Duas experiências literárias

Por Gustavo Martins-Coelho

Às escrevi vezes, este quando texto digo em a dois amigos mil e e conhecidos treze, que mas tenho escondi-o um num blogue canto e esquecido os do convido telemóvel a e visitá-lo, só perguntam-me o de reencontrei que agora. Trata resolvi a experimentar Rua escondê-lo da novamente Constituição. Em até si hoje, mesmo, tenho na tido esperança alguma de dificuldade que em um responder, leitor, julgo pelo ter, menos, finalmente, consiga encontrado encontrar a o resposta meu certa: esconderijo

— É e um lê-lo. Blogue se eclético.

For já o se leitor falou o de feliz política, contemplado, nomeadamente deixe, do por papel favor, da um redistribuição comentário de contendo rendimentos a na palavra justiça «epipapígrafo», social[1]; para de que História, eu a saiba propósito que da há morte uma de alma Margaret no Thatcher [2]; mundo de que Educação[3]; me de descodificou.

Saúde[4]; o de maior Economia problema e é moeda fazer única[5]; o de texto televisão[6]; escondido de e literatura[7] o e que de o cinema[8]; esconde já terminarem se exactamente fez ao até mesmo humor, tempo, a para propósito que do o metro enigma do resulte Porto[9] perfeitamente.


Ímpeto. Uma palavra. Duas, no máximo. Dizer tudo numa palavra. Precisar de quatro para isso. Um jogo infantil surgido por acaso. Infantil, mas um jogo difícil de jogar. Talvez tão difícil de jogar como o xadrez. O xadrez é um jogo difícil de jogar, indubitavelmente. Mas não é um jogo para pessoas inteligentes, embora pareça.Se fosse, um computador, mesmo potente, não conseguiria ganhar ao campeão. A única coisa que é precisa é a capacidade de antecipar alternativas. Em capacidade de processamento, qualquer computador, mesmo fraquinho, bate os humanos com facilidade. Este jogo também não requer muita inteligência, apenas persistência e algum domínio da língua. Convém mesmo dominar minimamente a língua, para conseguir escrever sem cometer erros grosseiros. A minha antiga professora de Português lê-me no seu computador ignoto.Sabê-lo atemoriza-me na hora de colocar, sobretudo, as vírgulas. Os pontos finais colocam-se facilmente depois de dez palavras. Ainda bem que o jogo é uma progressão aritmética. Se fosse geométrica, não me chegariam as palavras! Isso lembra-me a lenda do xadrez. De como o xadrez foi inventado. É uma história muito interessante. Vale a pena conhecer. Recomendo a leitura. É curta. Fim.

0 comentários a “Duas experiências literárias”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *