Categorias
Consultório da Ria

Os glóbulos brancos

Por Carlos Lima

Os glóbulos brancos, ou leucócitos, são células diferenciadas, produzidas pela medula óssea, que estão presentes no sangue, na linfa, nos órgãos linfóides e em vários outros tecidos. Um adulto normal possui entre 4.000 e 11.000 leucócitos por mililitro de sangue e produz aproximadamente 100.000 milhões de leucócitos por dia.

Os leucócitos fazem parte do sistema imunitário, ou sistema de defesa, do organismo. Têm por função o combate à infecção, através da eliminação de microrganismos (bactérias, vírus e outras células ou fragmentos celulares) e de estruturas químicas estranhas ao organismo (como, por exemplo, toxinas), quer por meio de sua captura e fagocitose (do grego phagein, «comer», e  kytos, «célula»), quer através da produção de anticorpos.

Existem vários tipos de glóbulos brancos, que são diferenciados pela sua função específica no sistema de defesa e de combate aos agentes invasores.

Os neutrófilos e os monócitos são fagocitários, ou seja, possuem a capacidade de «comer» as bactérias e as células mortas. Os neutrófilos actuam rapidamente, porque estão presentes no sangue e na linfa e lançam o alerta para que os monócitos acorram ao local da invasão. Os neutrófilos são os glóbulos brancos mais comuns, constituindo cerca de 60% de todos os glóbulos brancos. Habitualmente, morrem após a fagocitose, dando origem ao pus. Uma baixa contagem de neutrófilos no sangue significa que o organismo está mais exposto ao risco de infecções, pois estes são, geralmente, os primeiros a actuar na defesa do corpo e a lançar o alerta para os restantes elementos entrarem em acção.

Os monócitos têm a capacidade de modificar facilmente a sua forma externa, o que lhes permite atravessar as estruturas próximas e chegar ao local em grande número. Cabe aos monócitos fazer a limpeza do campo de batalha, fagocitando as células mortas e os restantes fragmentos.

Os eosinófilos libertam enzimas que combatem os efeitos da inflamação e são responsáveis pelas reacções alérgicas. Têm acção antiparasitária, pelo que um aumento de eosinófilos no sangue sugere infecção parasitária.

Os basófilos estão muito associados a reacções alérgicas, dado que libertam heparina, histamina e serotonina — daí que, no combate à reacção alérgica, se administrem anti-histamínicos para diminuir a capacidade do corpo (diga-se, dos basófilos) de reagir ao agente causador da alergia.

Os linfócitos estão mais associados à resposta imunitária de longo prazo, com a produção de anticorpos, e são de dois tipos: B e T. A grande diferença entre eles é que os linfócitos B direccionam a sua acção, quase exclusivamente, para o combate às bactérias e às suas toxinas, enquanto os linfócitos T actuam no combate aos vírus, aos fungos e às células transplantadas e cancerosas.

Os anticorpos são pequenas estruturas que se criam a partir dos linfócitos B, quando estes entram em contacto com um determinado agente causador de doença (antigénio), em particular um vírus, e que ficam circulantes no sangue, na linfa e noutras estruturas ou líquidos corporais. Quando o antigénio entra novamente em contacto com o corpo da pessoa, estes anticorpos ligam-se ao antigénio, imobilizando-o e lançando o alerta, para que todas as outras respostas do sistema imunitário entrem em actividade, desenvolvendo-se assim uma resposta muito mais rápida e mais eficaz, havendo mesmo situações em que a resposta pode ser a diferença entre a vida e a morte. A vacinação baseia-se neste princípio.

O aumento dos glóbulos brancos no sangue é sinónimo da presença de inflamação ou de infecção; determinar a proporção entre os diferentes glóbulos brancos auxilia o diagnóstico. Pode também ser indício de leucemia.

A diminuição do número de glóbulos brancos pode estar associada a dificuldade na produção pela medula óssea, ser efeito colateral dalguns fármacos (como os usados na quimioterapia) ou dever-se a infecção por vírus, como é o caso do vírus da imunodeficiência humana (VIH).

Regras de higiene básicas, como lavar as mãos antes das refeições, lavar os alimentos a serem consumidos crus, evitar tossir e espirrar na direcção doutras pessoas, não fumar e evitar ambientes muito poluídos, são boas formas de auxiliar os glóbulos brancos a manter a saúde do seu corpo. Cuide-se.

Saúde!

10 comentários a “Os glóbulos brancos”

[…] A febre é um mecanismo de alteração da temperatura corporal, ou seja, uma subida da temperatura. É um mecanismo de defesa contra a agressão causada principalmente por bactérias e vírus. Tem como objectivo criar condições desfavoráveis aos agentes invasores (que, regra geral, são muito sensíveis a pequenas variações da temperatura), aumentar o metabolismo corporal [7] e favorecer a replicação celular no sistema de defesa (glóbulos brancos [10]). […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *