Categorias
Consultório da Ria

As mitocôndrias

Por Carlos Lima

Quando falamos da célula [1], já estamos a falar duma estrutura pequena, microscópica; mas, dentro da célula humana, ainda existem estruturas funcionais importantes, com dimensões ainda mais pequenas. A mitocôndria é uma dessas estruturas. Assim, a mitocôndria assume-se como a estrutura geradora da energia que permite à célula desenvolver a sua função. A mitrocôndria é tão necessária, que as células de alto rendimento do corpo possuem várias mitocôndrias, como é o caso das células musculares [2], das do fígado [3], das do rim [4], das do coração [5] e das células nervosas [6].

São as mitocôndrias que realizam o processo de respiração celular. Todos estamos familiarizados com o processo respiratório pulmonar, em que os pulmões trocam o dióxido de carbono presente no sangue por oxigénio presente no ar, mas essa respiração só se torna efectiva quando, ao nível da célula, o oxigénio transportado no sangue é aproveitado para produzir energia e o dióxido de carbono é libertado, como produto residual.

Na respiração celular, ocorre uma sucessão de reacções químicas, através das quais a célula obtém energia para suprir suas necessidades vitais. As mitocôndrias usam o oxigénio e a glicose oferecidos pela célula, transformando-os em energia, sob forma de trifosfato de adenosinta (ATP), que é usada pela célula.

As mitocôndrias são as centrais energéticas da célula, transformando a glicose e o oxigénio em energia química, a qual vai ser usada nas reações bioquímicas para o desenvolvimento da actividade da célula — como, por exemplo, a contracção muscular. Apesar deste processo ocorrer dentro da célula, as células que constituem um músculo respondem de forma coordenada a um estímulo, permitindo que se desencadeiem aumentos e diminuições de produção de energia, consoante as necessidades.

O ciclo de Krebs é uma cadeia de reacções que acontecem na mitocôndria e que descreve os passos que levam à transformação da glicose (açúcares) [7], das gorduras e mesmo das proteínas [8] em energia, na presença de oxigénio.

O recurso à produção de energia com base na gordura provoca o aumento da concentração do ácido pirúvico, que hoje se sabe ser tóxico para a célula, podendo desencadear reacções cancerígenas e causar problemas respiratórios.

As mitocôndrias possuem algum ADN, ou seja, uma carga genética [8], só que, ao contrário do ADN do núcleo da célula, o das mitocôndrias não sofre recombinação, ou seja, é a parte do óvulo da mãe que fica e não é utilizada a do espermatozóide do pai [9], fazendo com que este ADN apenas se altere por via de mutações e assim se obtenha um ADN com informações importantes para perceber a evolução das espécies. As mitocôndrias estão presentes em todos os seres vivos que usam o oxigénio para a produção de energia, chamados de seres aeróbios.

Para concluir, podemos dizer que é na mitocôndria que se produz praticamente toda a energia que utilizamos e que nos permite realizar todas as atividades, apesar da sua dimensão microscópica. O seu trabalho e a sua evolução ao longo do tempo fazem-nos capazes de aproveitar o oxigénio e, ao mesmo tempo, tornam-nos dependentes dele

Saude!

3 comentários a “As mitocôndrias”

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *